História do Volkswagen SP2

setembro 15, 2009

No início dos anos 70, os carros esportivos mais comuns no Brasil eram o Karmann-Guia (nas versões tradicional, lançado em 1962, e a TC, uma tentativa de dar novas linhas ao clássico), produzido pela VW, e o Puma, produzido na época pela Puma Veículos e Motores, num galpão na Av. Presidente Wilson, em São Paulo, utilizando mecânica VW mas com carroceria em fibra. Houve uma tentativa da VW de dar um ar mais esportivo, também, ao VW TL, originando o TL Sport, uma versão pouco conhecida deste carro, com acabamento diferenciado, novas cores e faixas laterais.
Porém, as vendas do Karmann-Guia não tinham o mesmo sucesso que as do Puma, que estavam no auge, tornando o carro um verdadeiro sonho de consumo entre os jovens. Daí surgiu a idéia da VW participar deste mercado com um carro novo, com projeto arrojado e que pudesse fazer frente às Pumas.

Volkswagen SP2 - O carro mais bonito do mundo


O Projeto X:
A subsidiária da VW no Brasil sempre teve uma certa independência da matriz alemã, graças à presidência de Rudolf Leiding (que mais tarde acabaria se tornando presidente da matriz). Em 1969 ele deu a partida para um projeto independente, totalmente desenvolvido no Brasil, para um carro esportivo de carroceria leve batizado de Projeto X.
 
Rudolf Leiding - Presidente da Volkswagen Brasil
 
Dos diversos estudos apresentados, foi o da equipe liderada pelo engenheiro Senor Schiemann o escolhido. A frente do SP2 foi inspirada no modelo europeu VW 412 Type 4, assim como os brasileiros Variant e Brasilia, também criados por Leiding. Mas os trabalhos na prancheta começaram mesmo em novembro de 1970. A equipe também tinha a participação de José Vicente Novita Marins, Marcio Piancastelli e Jorge Yamashita Oba.
 
Equipe de projetistas do VW SP2

Primeiros esboços do Volkswagen SP2

Modelos em escala reduzida do VW SP2

Modelo em escala - Volkswagen SP2
 
O protótipo do SP2 foi apresentado na Feira da Indústria Alemã em março de 1971, dividindo a atenção do público com o protótipo do Mercedez Benz C111, conforme foi mostrado em uma reportagem especial de Anísio Campos para a revista Quatro Rodas. O protótipo apresentado na feira ainda sofreria mudanças significativas antes de ganhar as ruas. Nota-se que não existiam as “guelras” para ventilação do motor (marca registrada dos VW SP2), o bocal de abastecimento era no lado esquerdo do carro e o escapamento era duplo, como nos Fuscas.

Protótipo Volkswagen SP2

Protótipo do Volkswagen SP2

Protótipo do Volkswagen SP2

Capa de Revista Auto Esporte de abril de 1971
 
A foto abaixo mostra um provável veículo de testes, já com as entradas de ar do motor, porém numa configuração diferente dos SP2 de série.
 
Protótipo do Volkswagen SP2
 
Como já era de se esperar, a reação do público foi imediatamente positiva, sobretudo pelo estilo agressivo do carro e por suas linhas sinuosas. Porém demoraria mais um ano até que os SP2 ganhassem as ruas, pois ainda estavam recebendo os ajustes finais antes do lançamento.


O Lançamento:
O lançamento oficial foi feito em junho de 1972, porém a maioria dos revendedores VW recebeu o modelo somente um mês depois. O novo carro recebeu o nome de SP, iniciais de São Paulo, estado onde foi idealizado e produzido, porém existe uma versão, não oficializada pela montadora, de que seria a sigla para a expressão em inglês “Sport Prototype” ou protótipo esportivo. Houve muita repercussão, inclusive em outros países, sobre o lançamento do SP2. A revista alemã Hobby anunciou-o como o “Volkswagen mais bonito do mundo” e a Car And Driver americana conclamou a matriz alemã a produzi-lo em escala mundial. Existiam 2 versões do SP: o SP1, com motor de 1584cc e 65cv, e o SP2 com motor 1678cc e 75cv. Muitas pessoas confundem as informações: o SP1 e o SP2 foram lançados ao mesmo tempo. O SP2 não era uma evolução do SP1 e sim uma versão mais luxuosa e com motorização mais forte.

As principais diferenças entre os modelos SP1 e SP2 eram a motorização, o revestimento interno que era de curvin no SP1 e couro no SP2, a ausência do console central e dos "bigodinhos" dianteiros no SP1. Além disso o Volkswagen SP1 não tinha relógio de horas, marcador de temperarura do motor nem luz de leitura de mapas.

Capa da revista Hobby - O VW mais bonito do mundo!

Comparativo de design - Volkswagen SP2

O SP2 foi construído com chassis da VW Variant, com algumas diferenças, como freios dianteiros a disco e motor com dupla carburação (Solex 34 PDSIT com afogador automático). Os 75cv a 5000rpm levam o SP2 a 100Km/h em 16,4 segundos e velocidade máxima de 153km/h (dados do teste da revista 4 Rodas de 1972), um desempenho considerado fraco para um carro com pretensões esportivas. Outro detalhe interessante é a altura do carro, com apenas 1158mm, mais baixo que o Karmann Ghia ou o Porsche 914. Foi o carro nacional de série mais baixo já produzido.

Volkswagen SP2 - linhas sinuosas e agressivas

Seu desenho é muito bonito, e se mantém atual até os dias de hoje. O Volkswagen SP2 possuía muitos detalhes incomuns para a época, como os frisos laterais em vermelho refletivo, limpadores de pára-brisas com hastes pantográficas e pára-choques de borracha. Painel muito completo com velocímetro, conta-giros, relógio, amperímetro, marcador de combustível e temperatura do óleo do motor. Acendedor de cigarros embutido, ventilação forçada e luzes de leitura de mapa na porta do passageiro. Foi também o primeiro modelo nacional a possuir alavanca de acionamento dos limpadores de pára-brisa na coluna de direção.

Quase três mil unidades foram vendidas só no segundo semestre de 1972. Nos anos seguintes a demanda caiu, mas manteve-se estável e o carro não recebeu modificações, exceto novas cores. Aliás, os SP2 recebiam uma paleta nova de cores a cada anos que passava.
Em 1974 o SP1, com apenas 88 unidades fabricadas (número não confirmado), já não estava mais disponível, permanecendo apenas o SP2, que inclusive já era o nome popular do modelo.

Volkswagen SP2 - Detalhe do emblema traseiro

O SP2 continuou em linha até fevereiro de 1976, com a marca de 10.205 unidades produzidas (dados não confirmados), sendo que cerca de 670 unidades foram exportados para países como Bolívia, Chile, México, Nigéria, Zaire, Arábia Saudita, Emirados Árabes e Kwait. O SP2 nunca foi exportado para os Estados Unidos por causa do perfil baixo dos seus faróis, infringindo as severas leis de trânsito do país, fato que passou totalmente despercebido pela equipe de projetistas. Dizem que até o comendador Enzo teve que reprojetar a frente de suas Ferrari para poder vendê-las na terra do Tio San.

Hoje, 4 décadas depois do seu lançamento, o Volkswagen SP2 continua um carro com linhas modernas, chamando a atenção por onde passa. Ser proprietário de um SP2 em bom estado é com certeza um motivo de muita satisfação, sendo privilégio de poucos colecionadores e alguns museus, como o museu da Volkswagen do Brasil, que possui um SP1 Platina e o museu da Volkswagen em Wolfsburg na Alemanha que possui um SP2 Branco Lotus e outro Violeta Pop em seu acervo.

Volkswagen SP2 do acervo do Museu Wofsburg

Volkswagen SP1 - acervo da Volkswagen do Brasil

O motor:
Está montado na traseira do carro, fixado por quatro parafusos à carcaça da transmissão, a qual, por sua vez, está fixada por coxins de borracha na extremidade bifurcada do chassi. Os cilindros, com diâmetro aumentado para 88mm, estão dispostos horizontalmente e opostos dois a dois. Cada par de cilindros tem um cabeçote comum de metal leve. As válvulas, situadas nos cabeçotes, são comandadas por meio de tuchos e balancins. A árvore de manivelas, livre de vibrações, de comprimento reduzido, aciona a árvore de comando das válvulas por meio de engrenagens helicoidais. As bielas contam com casquilhos de chumbo-bronze e os pistões são fundidos de uma liga de metal leve, com reforço de aço.

Corte esquemático do motor plano 1700

Vista superior do motor plano 1700

Eixo Dianteiro:
O eixo dianteiro, parafusado à cabeça do chassi, é constituído por dois tubos de aço rigidamente unidos, nos quais se encontram as barras de torção com os braços da suspensão pra as rodas dianteiras. Estas têm suspensão independente de tal forma que seus braços formam paralelogramos, o que é de alta conveniência para dirigir o veículo, em qualquer tipo de estrada. Além disso, o carro ainda conta com barra estabilizadora que evita a "rolagem" em curvas mais acentuadas e em velocidades mais altas. A caixa da direção, com setor e rosca sem fim, é ligada às rodas dianteiras através do braço de ligação e barras. O amortecedor da direção absorve as trepidações transmitidas ao volante.

Esquema do eixo dianteiro do VW SP2


Eixo Traseiro:
O eixo traseiro é do tipo oscilante, com suspensão independente (barras de torção cilíndricas ajustáveis). A barra compensadora traseira garante a estabilidade do veículo nas curvas em velocidades mais altas. Amortecedores telescópicos, de dupla ação, na frente e atrás, absorvem vibrações e oscilações do veículo.

Corte esquemático do eixo traseiro do VW SP2

Corte esquemático do eixo traseiro do VW SP2


Porta Malas:
O porta-malas dianteiro acomoda 140 litros de bagagem, apesar de parte do compartimento também abrigar o estepe, ferramentas e o tanque de combustível. Na traseira são mais 205 litros, distribuídos em espaços forrados atrás dos bancos e acima do motor, onde dois cintos de segurança foram instalados para fixar volumes e evitar seu deslocamento quando o carro está e movimento.

Porta-malas traseiro do Volkswagen SP2

Porta-malas dianteiro do Volkswagen SP2

Painel:
De plástico deformável (mais seguro em caso de acidente), o painel tem conta-giros com luzes de pressão do óleo e alternador, velocímetro com luz de farol alto, relógio, medidores de gasolina e de temperatura do óleo e amperímetro. Possui ventilador de duas velocidades de série, ar quente e, como opcional, rádio de AM/FM.
Há também, no console central botões do tipo teclado para acionar as lanternas e faróis, pisca alerta (a partir de 1975), reostato da iluminação do painel, e interruptor do ventilador.

Painel do Volkswagen SP2

Bancos:
Os bancos esportivos de série foram pioneiros no Brasil. Possuem assentos mais longos, apoios reguláveis para a cabeça e acolchoamento na altura dos rins para evitar dores na coluna. Os bancos são forrados em couro e, assim como o acabamento interno, houveram três opções de cores: preto, marrom e caramelo. Os cintos de segurança são de três pontos, porém não são retráteis.

Bancos do Volkswagen SP2

REFERÊNCIAS:
http://www.vwsp2.ch/
http://vwsp2.com.br/

Talvez você goste também:

0 comentários

Curta Nossa Fanpage

Seguidores do Google+

Seguidores do Blogger